Postagem em destaque

Mitos e verdade sobre Psicoterapia

Imagem
A psicologia é uma área do saber onde existem mais mitos que verdades absolutas, e isto porque, quando algumas informações caem no senso comum (com a ajuda da indústria midiática), sofrem distorções quase impossíveis de reverter.

As informações mais distorcidas estão relacionadas ao processo psicoterápico. Alguns mitos encobrem as verdades, o que dificulta o trabalho do psicólogo.


Eis alguns deles:

Mito 1: O psicólogo deve mudar a "cabeça" das pessoas.Jamais. O psicólogo deve verificar junto ao seu paciente, quais os comportamentos excessivos ou deficitários devem ser modulados. Para isto é preciso levar o paciente a modificar alguns pensamentos. Isto se consegue por meio de técnicas como o questionamento socrático, role-play, atividades reflexivas, etc. O executor da mudança é o PACIENTE. O psicólogo só instrumentaliza.
Mito 2 "Psicoterapia é para a vida toda"Nem sempre. Existem casos que algumas sessões podem ajudar o paciente a se ajustar ao seu meio. Neste caso, o …

Ter ou não ser: eis a Questão!!



A intenção é fazer uma reflexão sobre o tema, a fim de ampliar a compreensão, sem a pretensão


Meu ponto de partida é a Pirâmide de Maslow
psicologa, sp, vila mariana, saude bradesco, sul america, amil, golden cross
Fonte: Revistaesfingecom.br


  • necessidades fisiológicas (básicas), tais como a fome, a sede, o sono, o sexo,  abrigo;
  • necessidades de segurança, que vão da simples necessidade de sentir-se seguro dentro de uma casa a formas mais elaboradas de segurança como um emprego estável, um plano de saúde ou um seguro de vida;
  • necessidades sociais ou de amor, afeto, afeição e sentimentos tais como os de pertencer a um grupo ou fazer parte de um clube;
  • necessidades de estima, que passam por duas vertentes, o reconhecimento das nossas capacidades pessoais e o reconhecimento dos outros face à nossa capacidade de adequação às funções que desempenhamos;
  • necessidades de auto-realização, em que o indivíduo procura tornar-se aquilo que ele pode ser:


Nota-se que o gosto pelo supérfluo, de acordo com Maslow não se encontra em nenhum degrau da pirâmide, o que não significa que foi ignorado, mas que provavelmente esteja embutido em outra categoria.

Se considerarmos que o supérfluo serve para satisfação pessoal, e que esta satisfação estaria ligada à busca pela aprovação social, então para alguns o consumismo estaria encaixado no terceiro degrau da pirâmide onde o que conta é a busca pelo pertencimento, pois nesse caso ter é igual a ser. Exemplo: se um indivíduo tem um carro novo, significa que (aparentemente) pertence a uma classe social privilegiada; se usa determinadas grifes, então pertence também a determinada classe de pessoas.
Portanto se chegamos a conclusão que a busca pelo ter é a busca pelo ser.

No entanto, as coisas não ocorrem desta forma: Por mais que alguém gaste todo seu décimo terceiro em roupas e sapatos caros, não pertencerá às câmadas sociais destacadas. E aí aparece a frustração, porque a roupa não encobre a miséria psiquíca que desfila nas passarelas da vida. Por isso é bom refletir antes de sair pra "gastar um pouquinho e espaierecer", pois isso pode ser considerado como uma fuga da realidade, e as fugas não solucionam nenhum conflito.

Vale a pena refletir: o que se busca na Etiqueta, na Marca, na Grife. Que identidade estaria escondida por trás da etiqueta. "Quem eu sou"e "Quem estou buscando ser".

Lembrando sempre que SER é muito diferente de TER!

Comentários

  1. Maris stella, gostei deste pequeno artigo, e concordo com você ao mostrar que por trás do consumismo há uma busca por aceitação social de determinadas classes, em que isto corresponde a um querer "ter" para entrar no "ser" de um determinado grupo social.
    No entanto, discordo com a conclusão do artigo, quando assim vc se expressa:
    "No entanto, as coisas não ocorrem desta forma: Por mais que alguém gaste todo seu décimo terceiro em roupas e sapatos caros, não pertencerá às câmadas sociais destacadas. E aí aparece a frustração, porque a roupa não encobre a miséria psiquíca que desfila nas passarelas da vida."

    Ora, nessa classe social dos "grifeiros" e "socielates" e "pomposos exibicionistas" quanto não vemos de pessoas que por mais que dinheiro a vida lhes deu, são uns completos idiotas, e por mais "formados"(engenheiros, tecnicos, médicos, advogados... etc.) são, no que concerne À VIDA, completamente despreparados, muitas das vezes emocionalmentes. Quantas pessoas desse grupo são pessoas arrogantes, chatos, egoístas, individualistas, materialistas, falsos, mesquinhos etc.,etc....
    Então, a "miséria psíquica" que você colocou, não se constitui, de fato e de verdade, em empecilho para que pessoas de uma certa classe social adentre em outra. Visto que, em nossa sociedade, o que de fato, em última análise se sobressai, é o ter em detrimento do ser. O ser só é pensado e analisado em discursos teoricos, e em raras pessoas de nossa sociedade, mais sensível ao que é mais importante e do que realmente é mais importante.
    Bom, esse é o meu ver este contexto.
    No mais, seus artigos se reveste de temas bem interessantes, até mesmo pra quem não é da área da psicologia, como eu. inté...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não se entregue ao desespero - Lute

Quando Procurar Terapia?

Amor patologico

É impossível ser feliz sozinho?

Por que dizer "EU TE AMO" é tão difícil

Psicologa Sulamérica em SP

A Arte de dizer NÂO

Pessoas que amam demais

amores pesados

Desilusões: o que são e como evitá-las

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a paixão começa - sintomas da paixão

É impossível ser feliz sozinho?

Pessoas que amam demais