Redes sociais

Postagem em destaque

Mitos e verdade sobre Psicoterapia

Imagem
A psicologia é uma área do saber onde existem mais mitos que verdades absolutas, e isto porque, quando algumas informações caem no senso comum (com a ajuda da indústria midiática), sofrem distorções quase impossíveis de reverter.

As informações mais distorcidas estão relacionadas ao processo psicoterápico. Alguns mitos encobrem as verdades, o que dificulta o trabalho do psicólogo.


Eis alguns deles:

Mito 1: O psicólogo deve mudar a "cabeça" das pessoas.Jamais. O psicólogo deve verificar junto ao seu paciente, quais os comportamentos excessivos ou deficitários devem ser modulados. Para isto é preciso levar o paciente a modificar alguns pensamentos. Isto se consegue por meio de técnicas como o questionamento socrático, role-play, atividades reflexivas, etc. O executor da mudança é o PACIENTE. O psicólogo só instrumentaliza.
Mito 2 "Psicoterapia é para a vida toda"Nem sempre. Existem casos que algumas sessões podem ajudar o paciente a se ajustar ao seu meio. Neste caso, o …

É impossível ser feliz sozinho?

Somos orientados, desde a infância, a buscar o sucesso no trabalho e na vida afetiva, de modo que, a solidão virou um tabu em nossa sociedade.


Nossa cultura está repleta de elementos "românticos", induzido os indivíduos a buscar uma parceria afetiva, como sinônimo de felicidade.

No cinema e na literatura, são raros os casos em que os protagonistas não têm uma parceria.
As músicas, geralmente falam de relacionamentos, ou de sentimentos oriundos de relações fracassadas ou felizes.

Poucos ousam questionar estes modelos porque os que optam por não compartilhar suas vidas são duramente criticadas. 


Tenho notado o surgimento de uma nova classe de pessoas, que optaram (sim, optaram, escolheram conscientemente) viverem sozinhas.


Os neo-solteiros são pessoas lindas, inteligentes, sagazes,  muito bem resolvidas, em todas as áreas da vida. Inclusive sexualmente.


Viver sozinho não implica em viver isoladamente , dentro de uma bolha (embora algumas pessoas prefiram); também não é patológico; significa apenas que algumas pessoas não querem mais viver relacionamentos abusivos ou desgastados por brigas intermináveis.


Implica em vivenciar a liberdade de tomar decisões sem a necessidade de consultar alguém; ou o dever de compartilhar cada passo da sua vida com alguém; ou o desejo de não ser vítima de crises de ciúmes intermináveis; ou cansaram de pessoas que só queriam brincar com seus sentimentos; ou simplesmente o desejo de não amar.

Estas pessoas tem mais tempo para se dedicar ao aprimoramento da carreira, ou à prática esportiva, ou à prática religiosa, viagens, passeios, amigos, lazer, atividades culturais, etc. E nisto reside sua felicidade: na liberdade.

É claro que esta opção de vida tem também alguns fatores negativos, mas quando colocados numa balança, os aspectos positivos pesam mais.

Para concluir, eu diria que: É possível ser feliz sozinho, sim.

Não disse que é fácil, mas a vida a dois também tem lá suas complicações. 
É simplesmente uma questão de escolha.

Se você não concorda com esta opção de vida, não precisa ser hostil, apenas peço que respeite quem fez esta escolha.

Leia também

Postagens mais visitadas deste blog

"Não adianta nem tentar me esquecer": Porque é difícil esquecer alguém

Quando Procurar Terapia?

O que é o amor?

Quando a Psicoterapia Funciona

amores pesados

Discutir a relação é útil?

Término de relacionamento. Por que a superação é tão difícil?

Mitos e verdade sobre Psicoterapia

Psicóloga São Paulo | Crianças, adultos, casais | psicologa convenio | Psicologa Planos de saude | Bradesco | Amil | Sulamerica

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a paixão começa - sintomas da paixão

Pessoas que amam demais